Em SLZ, juiz autoriza revista de bolsas de alunos após anúncio de ‘massacre’ em escola

 

O juiz José Edílson Caridade Ribeiro, respondendo pelo plantão de 1° grau em São Luís, autorizou, na noite de domingo, 2, que a escola Literato realize revistas em bolsas e mochilas dos seus alunos.

O estabelecimento de ensino procurou a Justiça após surgir em um dos banheiros a inscrição “MASSACRE – 04.04.2023” – dias depois uma segunda mensagem foi escrita, com os dizeres “O MASSACRE COMEÇOU”.

Segundo a escola, um terceiro episódio foi registrado: “No dia 31/03/2023, chegou ao seu conhecimento que aluno do 2º ano do ensino médio desta instituição publicou no store do instagram ‘a um passo de surtar e cometer um massacre’, o qual foi cautelarmente suspenso, com imediata comunicação à família”.

Segundo a ação, os fatos ganharam natural repercussão após o ataque do último dia 27 de março, que vitimou fatalmente um professora e feriu alunos e outros profissionais em escola situada em São Paulo.

Ao analisar o pedido do Literato, o magistrado pontuou que há “conflito de direitos” no caso, mas decidiu que, em virtude da necessidade de garantir a segurança dos próprios alunos e a tranquilidade das famílias, é o caso de autorizar as revistas.

“Nesse contexto, autorizo excepcional e temporariamente, que se possa promover a vistoria das bolsas e mochilas dos alunos, até que a escola providencie sem muita tardança detectores de metal que possam tornar dispensáveis estas medidas, que como afirmado tem caráter excepcional e temporário, devendo ser submetido imediatamente à distribuição, após o período deste plantão, para analise do juizo competente e do representante do Ministério Público a ele vinculado”, despachou.

Postar um comentário

0 Comentários